E Se Ele For Embora? E Se Ele Ficar?

.. Quando o medo de perder alguém amado invade nossos pensamentos ..

 

Passar pela experiência do luto, perder alguém próximo e amado é verdadeiramente uma das maiores dores que passamos ao longo de nossa vida. E por sabermos disso, muitas vezes antes que isso ocorra, sofremos por antecipação. Sofremos a dor de vir a perder. E nos perdemos em pensamentos como: “o que será da minha vida se ela for embora?”, “vou morrer junto com ele”, “preciso fazer alguma coisa”, “ela não pode morrer antes de mim”, “não vou agüentar”, “não estou preparado”. Esses pensamentos alimentam o medo, e trazem outros novos sentimentos, como a insegurança, a ansiedade e a desesperança. Nossos pensamentos influenciam diretamente o que sentimos e a forma como olhamos e analisamos nossa vida. 

 

A morte ainda é um tabu, pouco se fala, e pouco nos acostumamos com a seqüência natural da vida. Isso corrobora para a manutenção desse medo. Algumas vezes não olharmos para aquilo que sentimos também, precisamos nos permitir sentir, nos permitir vivenciar. Enquanto nos preocupamos com o medo de perder o ser amado, quanto tempo e energia gastamos, quando poderíamos gastar essa carga emocional vivendo ao lado dessa pessoa tão querida? 

Ao-longo-da-minha-vida-sempre-tive-medo-de-perder-as-pessoas-que-eu-amo 

E SE ele for embora? O que ficará? As lembranças ficarão, o caminho que construíram juntos ao longo da vida permanecerão em suas memórias. E que tipo de lembranças terá dessa pessoa? Qual a qualidade do tempo que tem passado com ela? O que tem feito ao lado dela? E SE ela ficar? Que tal construir boas lembranças? Estar com quem se ama, nos presentear com bons momentos ao lado de quem amamos é uma maneira de criar boas lembranças. Expressar o que sentimentos ao outro, demonstrar carinho, preocupação, um simples e verdadeiro abraço, ou quem sabe tomar um sorvete enquanto pergunta como foi o dia de quem se ama? 

 

Dar Adeus nunca será fácil, mas as boas lembranças dão sentido e fortalecem nossas relações. A saudade sempre se fará presente, mas as lembranças acalentam nossos corações e nos fazem imaginar “que tudo valeu a pena”, e que aquele que se foi ainda presente se faz em nosso coração.

🙂

Léia Faustino

Psicóloga

Meu Espelho Sou Eu Quem Faço

.. Vamos Falar um Pouquinho Sobre Autoestima?..

 

Já se olhou no espelho e sentiu-se incomodado? Já sentiu-se incapaz de realizar atividades? Comparou-se com outras pessoas, sentindo-se inferior à elas? Pensa diversas vezes nas razões por ser como é? Tem uma visão negativa de si mesmo ou de sua família? Se afasta das pessoas ou tem dificuldade em relacionar-se com pessoas novas por medo da avaliação que farão de você? Tem medo de assumir riscos ou mudanças por se sentir inseguro para as novas situações em sua vida?

Cada vez que pensamos ou nos sentimentos assim, vamos aos poucos perdendo nossa confiança em nós mesmos. Áreas diferentes de nossas vidas começam a ser afetadas, e as vezes, não nos damos conta que tudo pode estar interligado. Por exemplo? No trabalho, as tarefas se acumulam. Com os amigos, deixa de comparecer em alguns eventos. No relacionamento pessoal, sente-se culpado. Um misto de decepção, culpa e desânimo em relação à você mesmo e sua vida vai se instalando. E quando percebe, encontra-se num estado mental de descrença e autodepreciação. É claro que esse processo é único e pessoal para cada pessoa, esses são apenas alguns exemplos.

Chamamos de autoestima a avaliação que fazemos de nós mesmos. Como nos avaliamos e nos percebemos no mundo. Quem é que nunca se deparou com sentimentos de desvalia em algum momento de sua vida? O que talvez algumas pessoas não saibam é que a autoestima não é uma capacidade da qual nascemos com ela. Nós a construímos ao longo de nossa vida. E sim, isso é ótimo, porque à partir daí podemos compreender que podemos virar o jogo, e que podemos mudar nosso olhar à respeito de nós mesmos. Ter uma boa avaliação de si mesmo pode te ajudar em INÙMERAS coisas. A forma como nos percebemos vai influenciar na maneira como agimos e nos colocamos no mundo.  Existem várias habilidades que podemos aprender para melhorar nossa autoestima. Hoje, quero convidar vocês a pensarem comigo em quatro delas. Vamos lá?

  • DEFINA METAS – COMECE COM O QUE SEJA MAIS FÁCIL PARA VOCÊ

Se você quer trabalhar sua autoestima, pense num ponto que seja mais fácil para você, e vá caminhando, do mais fácil para o mais difícil. Isso lhe dará segurança para continuar em frente. Defina metas de curto, médio e longo prazo. E defina quais ações pode realizar imediatamente. Como por exemplo, limpar sua mesa de trabalho, organizar seu guarda roupas, recomeçar um projeto esquecido, pagar suas contas, fazer uma caminhada, fazer o jantar, fazer uma lista de compras, etc. Pense em algo que lhe dará prazer e orgulho por ter feito, por menor que pareça ser.

  • COLOQUE UMA PITADA DE GRATIDÃO EM SUA VIDA (UMA PITADA GENEROSA)

Seja grato por aquilo que é e por aquilo que tem. Pense em suas qualidades. Faça uma lista delas, de todas elas, por menores que pareçam ser nesse momento para você. E sempre que algum pensamento de desvalia for de encontro à você, o confronte com suas qualidades. Por exemplo, se lhe vier o pensamento: “não sirvo para nada mesmo”, reveja sua lista, e com certeza encontrará algo como “sou uma boa mãe”, “sei desenhar”, “sou um bom aluno”, “sei cozinhar”, “estou aprendendo a dançar”, etc. Seja grato por suas qualidades. Queira melhorar sim aquilo que te incomoda, mas não se esqueça do que já conquistou até aqui. Sempre que um pensamento desmotivador aparecer, seja grato por aquilo que é.

  • ELOGIE-SE

Sempre que fizer algo bacana, que perceber que está à fazer algo bem ou que estiver aprendendo coisas novas, se elogie. Crie pensamentos motivadores e se elogie. Num primeiro momento, pode parecer estranho, mas tente, é recompensador. Eu nesse momento por exemplo, poderia pensar: “que legal, estou escrevendo um texto novo”.

  • NÃO SE COMPARE COM OUTRAS PESSOAS

Cada ser humano é único, e cada um de nós tivemos experiências que nos auxiliaram a nos constituirmos como somos hoje. Cada um pensa e sente diferente, mesmo frente à situações muito parecidas. Não se compare com ninguém, lembre-se: Você é Único. Cada um temos nossas qualidades, e também nossos conflitos. Quando nos comparamos, normalmente deixamos de olhar para as dores do outro, olhando somente para o sucesso. Podemos sim ter pessoas que admiramos, e que nos dão modelo para alguns objetivos, mas se usarmos isso para nos depreciar, o resultado não será legal.

 

            Acredite que pode mudar..!! Acreditar em Você Faz Toda a Diferença..!!

🙂

Léia Faustino
Psicóloga