A Mulher e o Grupo

Qual o papel das pessoas que estão a nossa volta? Qual a importância da maneira como nos relacionamos com elas? A nossa história é construída a partir dos vários relacionamentos que vivenciamos ao longo da vida. Desde o ventre materno experimentamos sensações que nos conduzem à relação com o outro. Ainda na gravidez, a mãe e o bebê sentem e compartilham inúmeros sentimentos: alegria, tristeza, raiva, frustração, felicidade, angústia, ansiedade, etc. Ainda nesse momento, tão no início da vida, já temos indícios de como as relações são importantes para os seres humanos e de como elas influenciam aquilo que somos.

donne

A figura da mulher é rodeada de papéis que envolvem relações desde o início da vida: ela é filha, amiga, namorada, mãe, esposa, tia, avó, profissional…. O que todos esses papéis tem em comum? Eles nos levam em diversos caminhos em direção àqueles que nos são importantes, trilhas que permitem que o outro nos conheça e que expressemos nossos sentimentos. O compartilhar de ideias e emoções faz parte desse grande aprendizado que é o viver ao lado de quem amamos. E na mesma medida precisamos nos atentar à ouvir o outro, ser empático ao sentimento daqueles que nos rodeiam e nos fazer presentes em nossas relações. E muitas vezes, quando compartilhamos e quando oferecemos escuta, é que conseguimos olhar para nós mesmas. Na relação com o outro, aprendemos sobre o que vive dentro de nós.

sapatos

Acredito verdadeiramente que nossas relações são chaves para nosso interior e talvez por esse motivo um dos trabalhos que mais gosto de fazer (sim, sou completamente apaixonada!) é a terapia em grupo, pois nela além do autoconhecimento, conseguimos criar uma rede de apoio, compartilhamento e aprendizado. Os grupos terapêuticos destinados à mulher é um espaço onde o resgatar da força feminina está presente, onde o empoderamento da mulher e de suas habilidades é reconhecido e espelhado uma no olhar da outra. As pesquisas indicam inúmeros benefícios da Psicoterapia em Grupo. A Psicóloga Alessandra Calbucci nos lembra de alguns desses benefícios, descritos abaixo:

— O grupo pode proporcionar melhora nos seus relacionamentos sociais e na autoestima.

— É uma oportunidade de compartilhar suas dores e mesmo que fique em silêncio, pode aprender com a experiência do outro.

— O grupo é um lugar de não julgamento, portanto, permite aos participantes sentirem-se acolhidos.

— Saber que o outro, passa pelas mesmas dificuldades emocionais que você, pode trazer uma sensação de alívio e autoaceitação.

— Os assuntos falados no grupo são confidenciais, permitindo que você se sinta mais a vontade se quiser compartilhar suas histórias.

— O grupo trabalha junto para encontrar novas maneiras de enfrentar algum problema ou desafios pessoais.

Espero que possamos nos permitir vivenciar nossas relações com mais intensidade, e que possamos a partir delas, também aprender e conhecer mais sobre nós mesmas!!

🙂

Léia Faustino

Psicóloga

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s